O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

M


MONIZ, José Maria da Fonseca

Nasceu em Moncorvo, em 20.12.1794. Foi o 1° Barão nascido em Moncorvo. Assentou praça como voluntário no Batalhão de Caçadores 10, em 6 de Outubro de 1811, e entrou logo nas campanhas da Guerra Peninsular, saindo gravemente ferido na batalha de Pamplona. Promovido a alferes ainda durante a campanha, a 13 de Dezembro de 1813, passou a tenente para o regimento de Caçadores 9, em 20 de Março de 1820. Estava destacado em Lamego quando, a 5 de Dezembro de 1826, rebentou ali uma rebelião contra a Carta Constitucional e de apoio ao absolutista Marquês de Chaves. Foi coagido a acompanhar os demais soldados até à fronteira espanhola, mas conseguiu evadir se e foi apresentar se ao governador de Armas da Beira, em Almeida. Submetido a um conselho de averiguações, foi completamente ilibado de qualquer crime de rebelião contra a liberdade. Tomando parte do grupo de militares que se quis opor à coroação de D. Miguel I, em 1828, acompanhou os destroços do corpo expedicionário até à Galiza e daí teve que emigrar para Inglaterra, à semelhança de quase todos os outros. Organizada a expedição que conquistaria a Ilha Terceira, José da Fonseca Moniz não só tomou parte, como se evidenciou em actos de bravura na batalha da Vila da Praia e na conquista da Ilha de S. Miguel. Promovido a capitão a 18 de Outubro de 1831, foi com membro do regimento de Infantaria 9 que desembarcou no Mindelo, distinguindo se no cerco do Porto e ficando gravemente ferido na acção de Ponte Ferreira. Tomando parte na expedição ao Algarve, esteve no combate de Cacilhas, onde os soldados de Telles Jordão foram definitivamente derrotados, tornando a sair gravemente ferido durante o ataque a Lisboa. Em 1835 fez parte da chamada Divisão Auxiliar, regressando a Portugal em 1837 e sendo promovido a major em 5 de Setembro desse ano. Sucessivamente, passou a tenente coronel (20 de Dezembro de 18429 e a coronel (19 de abril de 1847), e assumiu o comando de Infantaria 6. Tomou parte activa nas chamadas "Guerras da Maria da Fonte" e foi deputado em 1846 e novamente em 1851/1852. Dedicadíssimo ao Marechal Saldanha, acompanhou o desde o primeiro momento no movimento da Regeneração, sendo promovido a brigadeiro em 1 de Maio de 1851. Por Decreto assinado a 2 de Junho de 1851, D. Maria II. Fê-lo 1° Barão de Palme. Era do Conselho de Sua Majestade fidelíssima, comendador das Ordens da Torre e Espada, de Aviz e de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, bem como foi condecorado com a medalha n° 2 da Guerra peninsular. No resto de sua vida comandou ainda a 4ª Divisão Militar e, em 1861, era governador da praça de Valença, como general de divisão. Casou, a 29 de Novembro de 1816, com D. Maria Clementina Leite de Oliveira Pinto (1790/ 1848), Segunda filha de José António de Oliveira Pinto e de sua mulher, D. Ana Bernardina Leite de Oliveira. Foi a 1ª Baronesa de Palme a filha única do 1° Barão, D. Gertrudes Ermelinda Moniz, que nasceu a 22 de Setembro de 1817. Esta Senhora casou, a 14 de setembro de 1850, com José Cardoso Coelho de ?Moraes pessoa, que nasceu em 12 de Setembro de 1807 e morreu em 5 de Maio de 1857. filho de João Cardoso de Moraes, capitão mor de Lafões, e de sua mulher, D. Ana Joaquina da Fonseca. O titulo foi renovado no 2° Barão por concessão de D. Maria II de 18 de Fevereiro de 1852. Deste casamento houve um filho, António Cardoso Moniz (1852 /1932), que nunca se encartou do titulo, e casou com D. Maria da Glória da Cunha Pignatelli de Mello, filha dos Viscondes de S. Pedro do Sul. Foi 3° Barão de Palme José Cardoso Moniz, que nasceu em S.Pedro do Sul, a 23 de Fevereiro de 1896, filho dos anteriores. Licenciado em Ciências Naturais pela Universidade de Coimbra, nesta cidade foi professor liceal. Casou com D. Maria Frederica Cardoso Ressano Garcia, em Lisboa. a 26 de Março de 1938, filha de Raul Cardoso ressano Garcia, oficial da Armada, e de sua mulher D. Joana da Silva Barreiros Cardoso.
Eduardo Proença Marnede In Mensageiro de Bragança 19/10/01.


In iii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt