O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

C


CONDES E MARQUESES DE SÃO PAIO

O primeiro chamou se António José de São Paio Mello e Castro Moniz e Torres de Lusignam. Nasceu em local que desconheço, a 26 de Abril de 1720, e morreu a 26 de Setembro de 1803, quinto filho de Manuel António José de São Paio Mello e Castro Moniz de Torres, 12° senhor de Vila Flor e de outras honras e vínculos, e de sua mulher D. Vitória Josefa de Bourbon, filha dos 2°s Conde de Avintes, a qual teve o título de marquesa de São Paio quando foi nomeada aia do Príncipe nascituro da Princesa da Beira, depois D. Maria I. Assentou praça de capitão, por ser filho dum Conselheiro de Estado, no Regimento do Cavalaria do Cais, a 5 de Março de 1754, e foi promovido a tenente coronel a 20 de Agosto de 1758 e a coronel para Infantaria em 20 de Novembro do mesmo ano. Voltou com o mesmo posto para o regimento de Cavalaria do cais em 25 de Fevereiro de 1761 e foi promovido a brigadeiro em 17 de Setembro de 1764 e a marechal de campo em 8 de Fevereiro de 1768. Só veio a deixar o comando desse regimento a 19 de Dezembro de 1777, entregando o ao Conde de Vila Verde, por ter sido nomeado governador das Armas de Trás os Montes. Foi senhor, também chamada honra, de São Paio e dos Foros da Terra de Bragança, 13° senhor de Vila Flor, Vilas Boas, Mós, Frechas, Chacim, Bemposta e Parada de Pinhão, alcaide mor de Torre de Moncorvo e Miranda do Douro, fronteiro mor de Freixo de Espada à Cinta, grã cruz da Ordem de Cristo e nela comendador de São Vicente de Pereira e São Miguel de Lavrados, gentil homem dos Infantes D. Manuel e D. Pedro (depois D. Pedro III) e das Reais Câmaras de D. José e D. Maria 1, governador da Torre de Outão, etc., etc., ete.. Casou, a 27 de Fevereiro de 1759, com D. Teresa Violante Eva Judith de Daun, filha dos 1°s Marqueses de Pombal. O título de Conde de São Paio foi lhe concedido por D. José 1, por Carta de 18 de Dezembro de 1764, em satisfação dos serviços próprios e dos de seu pai e avô, este último Vice rei da índia Francisco José de São Paio Mello e Castro. Foi 2° Conde Manuel António Maria Baltasar de São Paio de Mello e Castro Moniz e Torres Lusignam, que nasceu a 6 de Janeiro de 1762 e morreu a 29 de Setembro de 1841, filho dos 1°s Condes. Entrou no Colégio dos Nobres aos 15 anos e assentou praça como cadete no regimento de Cavalaria do Cais em 19 de Outubro de 1777, vindo a ser nomeado ajudante de ordens de seu pai como governador de Armas de Trás os Montes, com patente de capitão de Cavalaria em 6 de Fevereiro de 1778. Em 20 de Abril de 1782 transita para o Regimento de Cavalaria de Chaves, mas logo regressa ao seu velho regimento do Cais, onde é promovido a tenente coronel, a 15 de Janeiro de 1797, e a coronel a 21 de Março de 1801. Neste posto atravessou as três Invasões Francesas, salientando se sempre pelo seu patriotismo e abnegação pessoal em prol dos homens que comandava. Insere se no grupo dos revolucionários de 1820, mas logo se vê afastado de qualquer posto de chefia em 1823. A sua situação agrava se em 1828 devido às conotações liberais públicas que tinha, pelo que emigra para Inglaterra. Como tomou parte activa na primeira tentativa de conquista da Terceira, é julgado e condenado à morte, por sentença a 9 de Abril de 1829. A sua família vê os bens sequestrados e a falta de recursos para viver leva os a recolherem se a casa dos condes da Redinha, seus parentes. Todo o resto do tempo de exílio passou o o 2° Conde na Bélgica. Como já contava 70 anos e recusada a sua presença entre os bravos do Mindelo, o Rei D. Pedro IV nomeia o mordomo mor da jovem Rainha D.Maria II. Exerceu este cargo até à sua morte. Casou duas vezes: a primeira, com D. Joaquina Maria Rita José Eustáquia de Mello, que nasceu em 1765 e morreu em 1785, filha do Marquês da Sabugosa; a Segunda, com sua prima D. Maria Inês de Mendonça, filha de seu tio João António de São Paio de Mello e Castro e de sua mulher, D. Violante Maria Catarina de Albuquerque e Mendonça Furtado, não havendo geração (leste matrimónio. Foi lhe concedida a renovação no título de Conde por Decreto de 15 de Maio de 1777 (D. Maria I) em vida de seu pai, e foi elevado a 1° Marquês de São Paio por Decreto de 1 de Dezembro de 1834 (D. Maria II). Foi 3a Condessa de São Paio D. Violante Maria Rita de São Paio e Albuquerque de Mendonça Furtado de Mello e Castro Moniz e Torres de Lusignan, que nasceu a 22 de Maio de 1789 e morreu a 31 de Junho de 1859, filha primogénita do 1° casamento do 2° Conde. Foi dama da Rainha D. Estefânia e da Ordem de Santa Isabel, e depois da morte, em 1823, de seu tio materno, Luís de Albuquerque de Mendonça Furtado, herdou os vínculos encabeçados no grande palácio chamado Casa da Cova, ao Campo de Santa Clara, e o dos Albuquerques, Instituído em 1606 pelo Vice Rei Matias de Albuquerque, que engloba a célebre Casa dos Bicos. Casou, a 12 de Julho de 1812, com seu tio paterno António Luís José de São Paio jure uxoris, que nasceu a 2 de Outubro de 1782 e morreu a 31 de Março de 1842. O Conde de São Pio foi vereador da Infanta D. Isabel Maria, enquanto seguiu uma carreira de armas brilhante, tendo ascendido a coronel a 22 de Junho de 1821. Foi cavaleiro da Ordem da Torre e Espada e par do reino (1826). Por Decreto de 15 de janeiro de 1834, foi nomeado presidente do Cofre Geral da Remonta da Cavalaria e director da Escola Veterinária, cargos que exerceu até 23 de Dezembro de 1835. O título foi de facto concedido a favor do 3° Conde, e não de sua mulher, pela Rainha D. Maria 11, por Decreto de 1 de Dezembro de 1834. Foi 4° Conde e 2° Marquês de São Paio Manuel António de São Paio e Albuquerque de Mendonça Furtado Mello e Castro Moniz e Torres de Lusignan, que nasceu em Lisboa a 23 de Junho de 1813 e morreu a 15 de Fevereiro de 1876, filho dos 3°s Condes. Tomou parte nas campanhas da Liberdade como ajudante do Marechal Duque de Saldanha, e distinguiu se nas acções de 5 e 14 de Setembro de 1833, bem como batalha de Almoster. Promovido a tenente coronel em 10 de Outubro de 1846 para o Batalhão dos Empregados Públicos, passou a comandá lo quando ascendeu a coronel em 24 de Abril de 1847. A 19 de Janeiro de 1852 transitou para o regimento de Voluntários Nacionais do Comércio. Foi oficialmor da Casa Real, par do Reino, comendador das Ordens de Cristo e de Carlos III de Espanha, e oficial da Torre e Espada. Casou duas vezes: a primeira, com sua prima D. Maria Francisca da Luz de Carvalho Daun e Lorena, a 17 de Junho de 1844, de quem teve geração; a Segunda, com D. Maria Alexandrina de Portugal de Barros e Vasconcelos, que nasceu a 19 de Abril de 1819 e morreu a 17 de Setembro de 1903, não tendo deixado geração. Após ficar viúva, esta senhora recolheu se ao Convento das Comendadeiras de Santos, tendo sido eleita abadessa a 30 de Julho de 1897. Pelo rei D. Luís I foi agraciada com a comenda de Sant'lago. Foi 5° Conde de São Paio António Pedro Maria da Luz de São Paio e Albuquerque Mendonça Furtado de Mello e Castro Moniz e torres de Lusignan, filho do 1° casamento do 4° Conde, que nasceu na Quinta do Posto (Alhos Vedros) a 29 de Junho de 1845 e morreu a 17 de Agosto de 1897. Casou, a 29 de junho de 1868, com D. Francisca Bernarda da Silva Pessanha (1844 -1891), filha herdeira de D. António da Silva Pessanha e de sua mulher, D. Rita de Cássia de Noronha, de quem tiveram geração. Por esta aliança entrou na Casa de São Paio a representação da chefia de todos os Silvas da Península. O título foi lhe concedido por Decreto de 7 de Dezembro de 1876, assinado por D. Luís I. Com o fim do chamado Antigo Regime, todo aquele mundo dos senhorios e honras cai, pelo que muito nobre, ascendendo a altos cargos da corte e obrigados a assistir em Lisboa a Família Real, vão esquecendo e deixando cair as suas casas na província, mantendo, regra geral, as quintas mais perto dos grandes centros urbanos. Assim, todos os descendentes destes Senhores de Vila Flor aqui citados já nada têm a ver com Trás osMontes.
Eduardo Proença Mamede


In iii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt