O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

B


BARROS, António de Sales Paes de Sande de Castro de

nasceu na Casa de Samaiões, concelho de Chaves, em 25.5.1891. Faleceu em 26.1.1973. Licenciou-se em Filosofia, em Coimbra, em 1914. Na vida militar fez o curso de Artilharia Pesada (CAP). Foi alferes, por volta de 1915, logo após a sua formatura. Combateu na l.a Grande Guerra (19141918), tendo feito parte do Corpo Expedicionário Português, comandado pelo General Gomes da Costa. Embora Portugal só entrasse em Guerra em 1916. António de Barros só teve guia de marcha em 11.5.1917. Participou na Batalha de La Lys em 9.4.1918. A guerra terminou em 11.11.1918. Ele volta a Portugal depois de, entretanto, ter passado pela Inglaterra, tendo lhe sido entregue, em Londres, pela Rainha D. Amélia a medalha de ouro. Foi condecorado com a medalha da Campanha de França (1917 1918). Já fora noivo para a guerra de D. Helena Cecília Wemans, filha de Albert Gerard Mathien Wemans e de Amélia Delpiano Wemans. Casaram na Igreja de S. Luís dos Franceses, em Lisboa, em 19.04.1919. (Os Wemans são oriundos da alta aristocracia Belga). Fixaram residência na Casa de Paradela. Três dos seus filhos nasceram na Casa de seu sogro, em Lisboa. A filha mais nova nasceu na Casa de Paradela em Chaves, em 1927. Em 1931 já é tratado por Tenente de Artilharia, posto com que passa à situação de licença ilimitada. Foi entretanto nomeado chefe da Causa Monárquica de Chaves por D. Duarte Nuno. Em 1932 fez parte da Comissão Administrativa da Câmara Municipal, nomeado pelo Dr. José Timóteo Montalvão Machado, ao tempo, governador civil de Vila Real. Em 18.8.1934 é nomeado Presidente da Câmara de Chaves. A 6 de Outubro do mesmo ano a Comissão Administrativa quis cessar funções, sendo nomeada outra comissão. Com a 2 ª Guerra Mundial (1939 1943) volta a ser convocado para prestar serviço no Quartel General do Porto. Passou à reserva em 21.6.1944, regressando à casa de Paradela e dedicando se à Administração da sua Quinta de Curalha. A surdez trouxe lhe entretanto alguns problemas. Sua filha Maria Leonor de Barros, publicou a sua biografia em 2001.


In iii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt