O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

R


RIBEIRO, João Baptista

nasceu em 25 0 1 1790 na freguesia de São João de . arroios. Vila Real, e faleceu no Porto em 24 07 1868. A partir de 1811 e até aos seus últimos dias dedicou se ao ensino do desenho, tendo chegado a lente desta cadeira e director da Academia Politécnica do Porto posições que corresponderiam hoje às de professor catedrático e reitor da Universidade. Com efeito, a sua actividade pedagógica é a sua faceta mais importante, mas, ligada a ela, desenvolveu uma actividade de organizador e pioneiro no multímodo mundo da arte e da cultura. Assim, teve papel importante na criação da Biblioteca Pública do Porto, foi organizador e primeiro director da primeira galeria de arte na criação da Biblioteca Pública do Porto, foi organizador e primeiro director da primeira galeria de arte pública criada em Portugal (o actual Museu Soares dos Reis, no Porto) e desenvolveu uma actividade pioneira nas artes nascentes da fotografia e da litografia no Porto. As suas ocupações pedagógicas e artísticas deixavam lhe muito pouco tempo livre, o que não lhe permitiu ligações frequentes e estáveis com Vila Real. Mesmo assim, nunca se esqueceu de que aprendeu as primeiras letras no Convento de São Francisco e que aí foi descoberto o seu talento para o desenho, executou algumas obras para diversas instituições vilarealenses e trocou correspondência com o célebre Morgado de Mateus, que muito cedo lhe reconheceu a sua aptidão artística. O autoretrato foi feito nos anos 40 do século passado e manteve se inédito até aos nossos dias. Pertenceu ao irmão do artista, Luís José Ribeiro, barão de Palma, personalidade de relevo na vida pública portuguesa que chegou a ser Presidente da Junta de Crédito Público, Conselheiro de Estado, Comissário em Chefe do Exército e escritor erudito. Esta obra é um bom exemplo da mestria de João Baptista Ribeiro no retrato, género em que deixou diversas obras de grande merecimento. O seu auto retrato a óleo, assim como o que fez de seu pai, foram obras sempre distinguidas em todas as exposições em que participaram, e são do que de melhor se fez no género em Portugal, na transição do neo classicismo para o romantismo. Por outro lado, diversos outros autoretratos seus, reproduzidos quer por daguerreotipia, quer por litografia, são, para além de belíssimas obras de arte, obras pioneiras do género em Portugal. João Baptista Ribeiro produziu às dezenas, senão às centenas, retratos em miniaturas de D. João VI, durante o tempo em que a corte portuguesa esteve instalada no Brasil. Esses retratos tiveram um papel importante, uma vez que muitos contribuíram para estimular a fidelidade ao monarca e manter a coesão nacional durante as Invasões Francesas. Da mesma forma, o retrato litografado que fez de D. Pedro IV, após o desembarque do Mindelo, em grande tiragem, serviu a causa da revolução liberal. Aliás, D. Pedro IV foi seu amigo pessoal e incumbiu o de várias missões. Ofereceu lhe pessoalmente o primeiro prelo litográfico e uma câmara clara. Mais tarde, os descendentes do monarca ofereceram lhe também, para o museu que D. Pedro IV o havia incumbido de instituir, o chapéu, o óculo e um pedaço do mastro do navio de que desembarcou no Mindelo. Para a Sala dos Capelos da Universidade do Coimbra, pintou João Baptista Ribeiro os retratos de D. João VI. D. Pedro IV D. Maria II e D. Pedro V. Pintou também um retrato a óleo de D. Miguel, de tal forma perfeito, que levantou em muitos espíritos a suspeição (infundada, aliás) de ligações de João Baptista Ribeiro à causa legi timista. Merece ainda menção especial, por fim, o retrato que desenhou de Alexandre Herculano em 1855, propositadamente para a Exposição Universal de Paris nesse ano realizada. Foi justamente esse um dos contributos do Porto para a dita exposição e uma homenagem da cidade a um dos chefes de fila do romantismo português que teve com ela uma ligação estreita.
Elísio Amaral Neves,
in História ao Café, 13 04 1998


In ii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt