O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

R


RAMALHO, António Monteiro

nasceu em Trás os Montes em 1859. Dicionário Histórico e Biográfico de Artistas e Técnicos Portugueses (1959), de Arsenio Sampaio Andrade. consagra lhe quase duas páginas e escreve que "foi discípulo de Tomás da Anunciação e de Silva Porto. E em Paris teve por discípulos Cabanel, Henri Regnault, Bastien Lepage, Cormon, Benjamim Constant e François Flameng. Esteve na cidade do Porto onde exerceu, no começo da sua vida, a modesta profissão de marçano, mas o patrão. pessoa rude e pouco simpática, aGastava se de vez em quando com o mocito por este se entreter a desenhar nos papéis que encontrava sobre o balcão. O petiz, porém, teimoso e perspicaz, resolveu, a pretexto de qualquer assunto, despedir se, abandonando aquela vida e seguiu, depois, para Lisboa, por ser a terra predilecta dos seus sonhos". Aí tentou, a todo o custo, ingressar nas Belas Artes. E passou por dificuldades várias, até que "por milagre lhe apareceu o mestre pintor António Carvalho da Silva Porto que reáressara do estrangeiro coroado de fama. Trazendo novos sistemas sobre as artes plásticas, fez progressos em Portugal. E o seu nome começou a ter repercussão em todo o país e no estrangeiro. Silva Porto aproximase de Monteiro Ramalho e dá lhe todo o apoio na arte de pintar. Concluído o curso de Belas Artes que obteve com alta classificação, desloca se para Paris, onde recebeu lições de grandes mestres. Daí manda à Academia do Porto o seu primeiro trabalho chez rnon voisin; e, tempos depois, em 1882, foi a Roma com bolsa de estudos concedida pelo governo português. Deixou uma obra vasta e notável. De regresso a Portugal fez retratos, dedicando se à paisagem e a outros assuntos campestres. Além de pintor distinto, também foi um hábil decorador, como ainda atestam os trabalhos que ficaram a ornamentar o Teatro Garcia de Resende, em Évora; Cervejaria Jansen, em Lisboa; Palácio Souto Maior, na Figueira da Foz; Hotel de Buçaco; Bolsa do Porto; antiga vivenda da Rainha D. Maria Pia, em Cascais; Casa dos Patudos, em Alpiarça; Claustro de Celas, freguesia do distrito de Bragança; Foz do Douro; Batalha do Buçaco (museu militar); Escultor Alberto Nunes (Museu de Arte Contemporânea); Lanterneiro; Campo de Flores; À Beira Mar; Uma nesga em Paris; vitrais da capela do Sanatório de Santana, na Parede (linha de Cascais); Um canto do claustro; Retrato de Criança; Retrato de Senhora; Estudante; O Serão: Flores; Praia da Boa Nova; Capela do Corpo Santo; e ainda muitos outros trabalhos de alto valor artístico que, pela sua beleza e originalidade, perpetuam o nome brilhante de António Monteiro Ramalho. Este pintor foi tão forte no óleo como na aguarela e no desenho".
RAMOS, Veríssimo de Sá nasceu em Carviçais, Torre de Moncorvo, em 22 06 1955. Licenciou se em Português/ /Francês e seguiu o ensino. É deputado municipal em Torre de Moncorvo e Membro do Sindicato dos Professores do Norte.
É autor: Aonde foi o vento? (poesia); Madrugadas de Sonho (poesia); Contrabando (conto).


In ii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt