O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

P


PINTADO, Valentim Xavier

nasceu em 1925. Economista, professor universitário e político. Nasceu em Freixo de Espada à Cinta e é um dos mais conceituados economistas da sua geração. Licenciou se em Finanças pelo Instituto de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa (1949), doutorou se em Economia pela Universidade de Edimburgo (1961). Iniciou a sua carreira docente como assistente de Finanças Públicas no ISCEF de 1951 a 1957. foi docente num curso especial de Finanças Públicas organizado pela OCDE em colaboração com a Universidade de York no verão de 1964. Professor de Finanças Públicas na Universidade Católica de 1972 a 1974, foi nomeado director da Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais daquela Universidade em 1989, tendo exercido essas funções até Setembro de 1994, altura em que foi nomeado vice reitor da mesma Universidade. Parte significativa da sua vida profissional foi exercida no estrangeiro, ao serviço de organizações internacionais. Tendo sido o primeiro bolseiro (fellow) português da Comissão Económica para a Europa das Nações Unidades em 1957 1958, onde trabalhou sob a orientação do economista francês Prof. Edmond Malinvaud, foi encarregado de um estudo especial sobre a economia portuguesa pelo secretariado da EFTA em 1961 1962, estudo que foi publicado por aquele secretariado sob o título Structure und Growth of the Portuguese Economy, obra que se tornou uma referência obrigatória e que consolidou o seu prestígio como um dos mais destacados economistas portugueses do pós guerra. Exerceu as funções de consultor ad hoc da OCDE em 1964. Tendo ingressado de novo no secretariado da EFTA em Junho de 1975 como Senior Assistent for Economic Affairs e sido nomeado Special Adviser do Secretário Geral daquela organização em Setembro de 1983, cargo que exerceu até 1990. Em 1969 foi convidado por Marcelo Caetano para integrar a renovada equipa de secretários de Estado do Ministério da Economia. É assim que, com Rogério Martins, João Salgueiro e Vasco Leónidas, integra o chamado "grupo dos liberais" durante a "primavera marcelista". Tal como os seus colegas, deixa o governo na remodelação promovida pelo Presidente do Conselho em Agosto de 1972. Como Secretário de Estado do Comércio. foi representante de Portugal no Conselho Ministerial da EFTA, cuja presidência assumiu em 1970, e foi o responsável pela segunda redução de direitos de importação no quadro da EFTA, pela redução significativa do número de produtos sujeitos a fixação administrativa de preços e pela eliminação faseada de preços especiais para a indústria portuguesa dos produtos importados do Ultramar que ainda se encontravam sujeitos a esse regime, passando os mesmos a ser sujeitos aos preços praticados no mercado internacional. Particular atenção foi então dada ao desenvolvimento das infra estruturas de comercialização, e muito especialmente da "rede do frio", que beneficiou de incentivos especiais do chamado Fundo de Abastecimento. Foi membro fundador do CDS, de cuja comissão política fez parte até à sua saída do país para o Secretariado da EFTA, em Genebra, em Junho de 1975. No sector privado exerceu as funções de economista da Associação Comercial de Lisboa e da Delegação Portuguesa da Câmara de Comércio Internacional; mais tarde, de Director do Gabinete de Estudos e Relações Económicas Internacionais da Associação Industrial Portuguesa. Foi director do Gabinete de Estudos do Banco Português do Atlântico de 1964 a 1969 e administrador executivo do mesmo banco, responsável pelas relações externas de Setembro de 1972 até à nacionalização da banca em Março de 1975. Fez parte de várias comissões e grupos de estudos, nomeadamente da comissão executiva do Centro de Estudos do Departamento Central de Planeamento, do Conselho Superior para o Sistema Financeiro do Ministério das Finanças, da comissão consultiva do primeiro ministro para a Integração Europeia, e é membro da comissão consultiva do Banco de Portugal. Além do mencionado estudo Structure and Groi, th of the Portuguese Economy, e da dissertação de doutoramento, subordinada ao tema The Growth of the Public Sector with Economic Developnaent, preparou um estudo sobre a classificação das despesas públicas para o Ministério das Finanças e publicou diversos estudos e artigos entre os quais se contam: "The fiscal system and economic development", in Public Finance as an Instrument for Economic Development. OCDE. Paris, 1965; Growing Interlinkages and Increasing Protectionism (com Jan Herin). EFTA Occasional Paper n.° 11, Genebra. Março, 1985; Structural Problems and Current Developments in the Yugoslav Economy, EFTA Occasional Paper n.° 20, Dezembro, 1987; Economic Aspects of the European Eeonomic Space (em colaboração). EFTA Occasional Paper n.° 25, Genebra. Novembro, 1988; "The Lack of Rationality in Developed Countries Agricultural Policies", in Nova Economia em Portugal, Universidade Nova, 1989; "The Peripheral Countries and European Integration", in Economia. Vol. XIV, n.° 3, Outubro 1990. Tem colaborado em vários jornais e revistas com artigos de opinião e comentário económico tendo dirigido a "página económica" do Diário de Notícias no seu lançamento.
José Maria Brandão de Brito In Dicionário de História do Estado Novo


In ii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt