O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

C


CARVALHO. Joaquim José de

Nasceu em 1885 em Donelo, concelho de Sabrosa. Faleceu em 1961. Aos 13 anos mudou-se para o Porto. E dali para o Brasil, onde fez fortuna, como comerciante. Investiu na Banca e a vida correu lhe bem. Aos 38 anos veio a Portugal e aqui adquiriu uma quota da "Casa Bancária Souza & Cruz". Acabou por não voltar ao Brasil. Casou com uma abastada senhora: Maria Fernanda Matos, filha do consul de Portugal em França, país onde administrava também a empresa Chargeurs Reunis. Quando casou, em 1929, era já o vice presidente do Conselho de Administração da Companhia de Seguros Garantia. Foi o mentor da fundação do Coliseu, inaugurado em Dezembro de 1941, com uma lápide onde consta: "Este edifício foi mandado construir pela Companhia de Seguros Garantia, sendo seus administradores: Raul Marques, Adélio Vaz, Conde da Covilhã e o Presidente do Conselho de Administração, Joaquim José de Carvalho, a cujo esforço e inteligência fica agradecida a cidade dó Porto". A mulher, de quem teve dois filhos, sobreviveu-lhe dois anos. A Casa Bancária Souza & Cruz e a Casa Bancária Augustine Reis (de Lisboa), fundiram-se, surgindo em seu lugar, o Banco Intercontinental Português (BIP), com sede em Lisboa. Quer este Banco quer a companhia de seguros Garantia foram nacionalizados, três anos depois do 25 de Abril de 1974. O casal teve dois filhos, igualmente ilustres: José Nuno que nasceu em 1930 e o Ruy Octávio que veio ao mundo em 1932. Ambos estudaram no Colégio Almeida Garrett. Ambos trabalharam com o pai, depois de se formarem. O pai quis que conhecessem as dificuldades da vida. E por isso começaram como porteiros até chegarem aos cargos directivos quer da banca quer da companhia de seguros. O mais velho chegou à Direcção do BIP em 1960. Em 1965 era administrador da Garantia. Mais tarde foi administrdor da Real Companhia Velha, da Fábrica de Plásticos Império e da "Chromolit Portugal" (da qual tinha 50% do Capital). Era, nessa altura, igualmente, consul honorário do Japão, no Porto (desde 1968). O mais novo tornou-se o cérebro do sector de seguros em Portugal, ficando ligado à Comissão Instaladora do Instituto Nacional de Seguros, como vice presidente. Mais tarde foi o presidente. Posteriormente foi convidado para a Comissão Instaladora da Associação Portuguesa de Seguradores àqual presidiu até 1997. Aposentou-se em 1997. Mas continua liado ao Banco Português de Investimento. a cujo Conselho Fiscal pertence desde 1983. Por aqui se vê quão importante foi a vida de Joaquim José de Carvalho, este Transmontano que prolongou a sua acção em benefício da economia do país, através dos filhos que ainda são vivos (à data da elaboração desta nota biográfica, em Julho de 2000).


In ii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt