O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

B


BAÇAL, Abade de (9/4/1865, Baçal 13/11/1947, id.)

de seu nome Francisco Manuel Alves, era sacerdote católico, tendo sido pároco de Baçal (aldeia do concelho e distrito de Bragança), de 1896 a 1925, o que motivou a designação por que é habitualmente conhecido. Cursou preparatórios no Liceu, e Teologia no Seminário de Bragança, sendo ordenado presbítero (13/6/1889) e logo nomeado pároco de Mairos, sua primeira freguesia, durante sete anos. Ali foi Reitor até 1896. Depois de sair de Mairos, do concelho de Chaves, foi abade na terra que foi seu berço e ali permaneceu até sempre. Por isso, passou a ser vulgarmente conhecido por Abade de Baça], embora por vezes assine também Reitor de Baçal. Nunca paroquiou outra freguesia. Pertenceu à Academia das Ciências de Lisboa, à Associação dos Arqueólogos Portugueses, à Academia Portuguesa de História, ao Instituto de Coimbra, etc. Foi director do Museu Regional de Bragança (a que posteriormente foi dado o seu nome). Para o presente Dicionário, interessará fundamentalmente a sua faceta de colector de literatura oral, que publicou sobretudo nos vols. IX, X e XI (1934, 1938 e 1947, respectivamente) das suas Memórias ArqueológicoHistóricas do Distrito de Bragança. Aí se encontram quadras e outros textos líricos (sobretudo vol. IX, pp. 246,260 e vol. X pp. 352,353 neste último, são mais de 1500 textos), romances (vol. X, pp. 558,584), ditados (sobretudo vol. XI, pp. 451,468), ensalmos, orações, lendas e fábulas. Ao longo dos restantes volumes das Memórias, incluem se, por vezes, textos de literatura oral, sobretudo quadras e pequenas lendas (ver índice geral da obra, no vol. XI, que, embora com muitas lacunas, facilitará as pesquisas). Em Vimioso, obra póstuma, são publicadas várias quadras, romances, lendas e ditados. No Romanceiro Português, de Leite de Vasconcelos (2 vols., 1958. 1960), foram igualmente incluídas 43 versões de romances recolhidas pelo Abade e oferecidas àquele etnógrafo. Da mesma proveniência são algumas das quadras do Cancioneiro Popular Português, de Leite de Vasconcelos (3 vols., 1975 1983). Tendo devotado a sua vida ao estudo da história e da etnografia do distrito de Bragança. o Abade de Baçal não se dedicou especificamente à literatura oral. Os materiais que dela recolheu foram, pois, integrados no conjunto de dados que reuniu para a descrição da vida do povo do seu distrito. não tendo sido objecto, naturalmente. de qualquer estudo do ponto de vista literário. No entanto, o Abade ocupa um luar importante entre os colectores da literatura oral portuguesa, sobretudo no que diz respeito ao cancioneiro e ao romanceiro. Quanto a este último género (que começou a recolher, pelo menos, em 1902, embora só muito mais tarde tenha publicado os textos), é de sublinhar a raridade de vários dos romances de que publicou versões, nomeadamente Belardos e Valdevinos, A Força do Sangue, O Idólatra de Maria e Landarico (deste último, só se conhece mais uma versão portuguesa). De salientar igualmente o respeito que demonstrou pelos textos tradicionais, transcrevendo os sem retoques, tal como os recolheu, integrando se, assim, na moderna escola de colectores a que pertencem, por exemplo, os seus contemporâneos e amigos Leite de Vasconcelos e Abade José Augusto Tavares. Da sua vasta colaboração em jornais e revistas, será de salientar aqui o artigo "O Clássico Frei Luís de Sousa. Tragédias Marítimas. Notas Inéditas", em que publica documentos importantes para a biografia deste escritor.
OBRAS PRINC.: Memórias Arqueológico Históricas do Distrito de Bragança, 1 XI, Porto, 1909 1947 (há reedição fac similada, Bragança, 1975 (IX), 1979 (X), 1980 (VIII), 1981 (IV VII e XI) e 1982 (1 I1I): "O Clássico Frei Luís de Sousa, Tragédias Marítimas. Notas Inéditas ". Portucale, V, n.° 25 a 30 (1932) e VI, n.° 32 (1933) (a parte dedicada ao escritor seiscentista ocupa os fascículos n.° 25 e 26 27; o resto do artigo trata de membros da sua família); A Restauração de 1640 no Distrito de Bragança, Lisboa, 1940; Vimioso. Notas Monográficas (em colaboração com Adrião Martins Amado), Coimbra, 1968.
BIB.: Fernandes. Hirondino da Paixão, "Bibliografia do Distrito de Bragança Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal)", Brigantia, V 2 4 (Abr Dez.. 1985), pp. 3 19 496, VI, 1 3 (Jan.Set. 1986), pp. 37 218: X. 4 (Out. Dez. 1990) pp. 69 101; XII. 4 (Out Dez. 1992), pp. 79 140 (compreende uma completa biblioeraifa activa e passiva (com referência a numerosíssimos artigos de jornais), uma biografia. vários inéditos, cartas e econografia). Sobre a sua actividade de colector de literatura oral, ver J.J. Dias Marques. "O Abade de Baçal e o Romanceiro". no cit. Vol. V, 2 4 (o qual, aliás, é totalmente dedicado à vida e à obra do autor).
J.J.B.M.


In ii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt