O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

A


AZEVEDO, José Manuel Lopes de

nasceu em Rebordelo, concelho de Vinhais, em 20.05 1917. Frequentou o Seminário de Vila Real onde cursou e completou o Curso de Teolo gia e desde logo leccionou, nesse mesmo Seminário, a disciplina de Matemática durante três anos. A sua ordenação como sacerdote ocorreu em Dezembro de 1939, na Igreja de S. Pedro, dado que a Sé se encontrava em restauro. Em 1941 foi nomeado coadjutor da Paróquia de Santa Maria Maior de Chaves onde era Abade Francisco José Gonçalves Fraga e simultaneamente ocupou o cargo de Capelão da Igreja da Misericórdia de Chaves. Em 1943 foi nomeado pároco de Mondim de Basto, paróquia que assistiu até 1946, data em que foi nomeado para paroquiar Santo Estevão, cuja freguesia se estendia até Faiões e Vila Verde da Raia. Era uma grande paróquia com cerca de 600 fogos na época. Em 1962 veio ocupar o cargo de pároco da freguesia de Santa Maria Maior e arcipreste de Chaves e também foi nomeado professor de Religião e Moral do Liceu Nacional de Chaves. Foi pároco desta freguesia durante 3 anos e arcipreste ainda por mais algum tempo. Leccionou a disciplina de Religião e Moral no Liceu até 1973, ano em que foi chamado a leccionar a referida disciplina na Escola do Magistério Primário de Chaves, fundada nesse ano e onde já participou na realização dos exames de admissão ao referido Magistério. Foi professor deste estabelecimento de ensino até à sua extinção. Continuou sempre a desempenhar as funções de Capelão da Misercódia até à sua resignação em Abril de 1998, por falta de saúde. Foi Capelão do Hospital Distrital de Chaves, desde a sua fundação; cargo de que resignou igualmente em Abril de 1998, pelo mesmo motivo falta de saúde. Foi também capelão dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública. Pertenceu a Mesas da Santa Casa da Misericórdia; ésócio da Sociedade Flaviense de Chaves e do Grupo Cultural Aquae Flaviae. Participação em inúmeras conferências de âmbito religioso e foi designado para proferir o elogio de Monsenhor Alves da Cunha quando o seu busto foi erguido no Largo das Freiras. Pelos inumeráveis serviços prestados à comunidade, pelas competências que sempre revelou em todos os cargo que desempenha, pela lição humanista e de cultura que a sua vida vem retratando, que toda a população lhe reconhece, foram lhe atribuídas variadas medalhas e diplomas entre os quais se destacam os que seguem: Medalha Municipal de Mérito, grau prata. atribuída pela Câmara Municipal de Chaves. presidia pelo Dr. Alexandre Chaves e imposta pelo então Presidente da República Dr. Mário Soares; As três medalhas de grau ouro, prata e bronze, dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública; Diplomas de Mérito dos Bombeiros de Salvação Pública; Diploma de Sócio Honório da Sociedade Flaviense, na comemoração das bodas de ouro de Sacerdote, em 1989, atribuído pelo então Presidente da Direcção Agripino Jorge; Placa de homenagem do Hospital Distrital de Chaves, pelas bodas de ouro de Sacerdote em 1989.


In ii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt