O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

V


VENTURA, Manuel Joaquim Reis

nasceu no lugar de Seara Velha, freguesia de Calvão, concelho de Chaves, em 23.3.1910. Faleceu em Oeiras, onde jaz, em 29.1.1988. Fez a quarta classe com sua mãe que era professora primária, em Seara Velha. Prosseguiu estudos no Seminário, ordenando se sacerdote, na Ordem dos Franciscanos, no ano de 1932. Logo aí passou a usar o nome de Reis Ventura. Seguidamente tirou o curso de Pregador Apostólico no Seminário de Varatojo, em Torres Vedras. E ofereceu se para missionário em Moçambique. Depois veio a crise com que muitas vocações se debatem: ser fiel à vocação ou traí Ia e casar. Reis Ventura teve, já tardiamente, a coragem que não tivera antes de receber as ordens sacras. Casou e radicou-se em Angola, sem contudo deixar de cumprir os princípios religiosos. Logo em 1934, com o pseudónimo de Vasco Reis, ganha o prémio literário Antero de Quental, com o seu livro de poesia A Romaria, ao qual também concorreu Fernando Pessoa, com a sua Mensagem. Mais tarde ganhou outros prémios: Fernão Mendes Pinto, com Engrenagens malditas e ainda o Prémio Óscar Ribas, com o livro: A 100.ª Companhia de Comandos. em Angola, onde trabalhou uma vida inteira, para além das suas ocupações profissionais, sempre cultivou o jornalismo. Em o Jornal de Angola, mais importante diário angolano. mantinha regularmente "Conversa fiada”. rubrica que tinha grande popularidade por nós confirmada. Foi sempre um patriota e moralista. Conhecia , como pousos. a realidade angolana. E por isso dela fez uso permanente nos seus escritos, ora em jornalismo. ora em livro. Só por isso os revolucionários do pós 25 de Abril de 1974, tudo fizeram para esquecer uma das vozes mais sérias, mais coerentes e mais nacionalistas da epopeia Portuguesa em Africa. O semanário O Diabo, de 1.3.1988 escreveu dele: "Por ser um escritor de sentido patriótico os pseudo intelectuais da nossa prata que lamentavelmente vendem gato por lebre nos órgãos de comunicação social. onde pontificam, o país nem sequer soube que Reis Ventura morreu". Deixou uma vasta obra em poesia, ensaio e novelística. Assim: em poesia: A Romaria, Soldado que vais à Guerra e unia Voz na Noite. Ensaio: Uma Companhia Política; O Desenvolvimento das Exportações de Angola; O Após Guerra em Angola; Angola no 1.° Congreso dos Economistas Portugueses; A Nova Angola; A Primeira Força; Uma Pátria para Todos; O Caso de Angola; Em Defesa de Angola; Palavras ao Vento e Portugal Procura se. Novelística: Sangue no Capim Atraiçoado; Cafiíso (lii ro auto biográfico) Memórias de um Colono de Angola; Quatro Contos por mês: Cidade Alta; Filha de Branco; Caminhos: Engrenagens; Fazenda Abandonada; Cidade Muceque; A 100.° Companhia de Comandos: Queimados do Sol; Um Homem do Outro Mundo; Gente para Amanhã e os dias da Vergonha. A Câmara de Chaves ligou o àtoponímia local.


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt