O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

R


RIBEIRO, Emília Vieira

nasceu em Chaves, em 21.11.1870 e faleceu em 19.12.1937. Aos 16 anos já frequentava a igreja das Freiras e visitava a veneranda abadessa que vivia no convento anexo. Era uma moça excepcionalmente formosa, muito saudável, de querer forte. Francisco G. Carneiro, in Temas Flavienses, p. 21 /26 refere que: "a Editora ABC, do Rio de Janeiro, publicou em 1938, um livro de 222 páginas, intitulado: Vida Edificante da Revm." Madre Ribeiro, Fundadora dos Colégios Brasileiros do Sacré Coeur de Marie". Nesse livro se faz a biografia desta Flaviense que deixou a sua terra para missionar no Brasil, sob o nome religioso de Madre Maria de Aquino. Sabe se, por exemplo, que esta irmã religiosa tinha mais quatro irmãos, um dos quais, foi Desembargador da Relação do Porto. Quando ela tinha 16 anos chegou a Chaves um grupo de religiosas do Sacré Coeur de Marie que obteve autorização para instalar no velho convento um colégio de meninas. Essa congregação fora fundada, em França, no ano de 1848 e chegara a Portugal em 1871. Sucedeu que uma das madres (Maria de São Salvador) morria logo depois e não foi possível a sobrevivência do convento. Emília Ribeiro deslocou se, então ao Porto e, três dias depois, em 18.8.1894, recebia as vestes negras da congregação. Três anos depois, na Casa mãe, em Béziers (França), envergou o hábito branco e azul, da mesma Congregação. Em 29.9.1898 concluía o noviciado. E, no ano seguinte, regressou a Portugal, para se recolher no Colégio Inglês, no Porto. Com a implantação da República e a perseguição às ordens religiosas, cuidaram as irmãs daquela Ordem, de cumprir o seu papel noutros céus. E foi assim que em Fevereiro de 1911, madre Maria de Aquino seguiu para o Brasil, com o intuito de ali lançar as sementes do Sacré Coeur. Não foi fácil. Mas bateu à porta de alguns Flavienses que ali faziam sucesso, como o Visconde de Morais e o benemérito Cândido da Sotto Mayor. E deixou uma obra que ainda hoje constitui orgulho daquela Congregação. A Câmara de Chaves deliberou atribuir o seu nome a uma rua citadina.


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt