O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

O


OLIVEIRA, Alípio José da Cruz

nasceu em Chaves, em 30.7.1893, falecendo no Porto, em 28.1.1979. Começou os estudos em Chaves e prosseguiu os no Porto. Chegou a frequentar a Universidade. Mas interrompeu para cumprir o serviço militar no R.I. 19, precisamente em Chaves. Após algum tempo de vida militar foi mobilizado para Angola, em 1915. Regressado a Portugal ingressa na Escola de Guerra e é mobilizado para França, com o posto de alferes, integrado no RI 21, no Corpo Expedicionário Português (I Grande Guerra, 1917 18). Num combate que teve lugar em 9.3.1918, como comandante do pelotão, foi ferido. Por acções em combate é então promovido a tenente, por distinção, recebendo a medalha da Torre e Espada e Cruz de Guerra. Serviu, depois, no R.I. 31, Quartel General do Porto, como 2.ª Comandante. Também serviu na carreira de Tiro, de Espinho. Por se negar a assinar uma mensagem de felicitações ao Dr. António de Oliveira Salazar, numa altura em que este foi distinguido com a Torre e Espada, foi lhe fixada residência em Portimão, mais tarde em Beja e finalmente, em Bragança. Em 1934 volta ao Porto e em 22.4.1938 passa à situação de reserva. Os últimos 20 anos da sua carreira militar passou os como Comandante da Casa da Reclusão Militar do Porto. Em 1953 passou à situação de reforma, por limite de idade. Foi lhe atribuída a Medalha da Ordem Militar de Aviz, a Medalha de Mérito Militar, da Vitória, de Comportamento Exemplar, das Campanhas do Sul de Angola (1915) e das Campanhas de França (1917). Publicou vários artigos em jornais e revistas, como: Anuário de Chaves, O Primeiro de Janeiro, O Eco, Correio da feira, Voz de Portugal, Comércio de Chaves e A Voz de Chaves. Publicou o livro: O Espírito Lusíada ao Serviço do Império (1942). Tem um filho, igualmente ilustre: Eng. °Alípio Jorge Coelho da Cruz Oliveira. O pai ficou mais conhecido por Capitão Alípio de Oliveira e a Câmara de Chaves atribuiu lhe uma rua com o seu nome.
OLIVEIRA, António de nasceu em Bragança, em 31.8.1885. Foi professor do liceu e poeta, cujo nome completo era: António Augusto de Oliveira. Fez o curso na Faculdade de Letras de Lisboa. Fez o estágio em Onóxia e Berlim. Foi colocado como professor no liceu da sua cidade e daqui foi para Évora. Mais tarde seguiu para o Alexandre Herculano, no Porto, onde, em 1950 se aposentou. Sempre cultivou a literatura, em prosa e em verso. Ganhou vários prémios em jogos florais: em 1944 (em Espinho), em 1951 (Campanhã), 1952 (Lisboa).
Publicou (em versos), os livros: Incompletos (1913); Paz Bendita (1914) e Lira Polianteica (1956).


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt