O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

M


MATOS, Manuel Vieira de

nasceu em Poiares da Régua em 22.3.1861. Foi Bispo da Guarda, de Mitiline e de Braga. Começou por estudar no Seminário de Braga, prosseguindo Teologia na Universidade de Coimbra. Concluiu a formatura em 1890. Começou, depois, por desempenhar as funções de Secretário do Bispo de Viseu, D. José Dias Correia de Carvalho, ao mesmo tempo que leccionava no Seminário. Em 1899 foi nomeado Vigário Geral do Patriarcado e Arcebispo de Mitilene. Recebeu a sagração em Viseu, em 15 de Agosto desse ano. Em 1903 foi nomeado Bispo da Guarda, onde deu entrada solene, em 4 de Junho. Começou por introduzir profundas alterações no funcionamento do Seminário. Aí fundo o Círculo Católico de Operários e também o Jornal A Guarda. Também se lhe ficou a dever a criação do pequeno seminário, da Quinta da Mitra e um colégio para meninas, dirigido pelas freiras de Santa Doroteia. Toda essa sua acção, acarretou lhe muitos e fortes ódios, pelos republicanos que triunfaram em 5 de Outubro de 1910. Por Decreto de 25.11.1911 foi proibido de residir, durante dois anos, no distrito da Guarda. Passou, então, a viver em Tortosendo, numa quinta do concelho da Covilhã, pertença do Dr. Gonçalo Xavier de Almeida Garrett que era professor em Coimbra e lha emprestara para viver. Logo que os adversários da religião souberam, trataram de afastá lo de Tortosendo, ele fixou residência no Fundão. Contudo, o povo de Tortosendo, tinha se imposto à sua saída. E só um truque do administrador do concelho, inventando um telegrama do Governador Civil, se lhe apresentou de noite, quando toda a povoação dormia, dando ordens de expulsão. No Fundão somente ficaria um mês, porque novos adversários, alertados pelos primeiros, cuidaram de desterrá lo para fora do distrito de Castelo Branco. Saiu na madrugada de 2.12.1912 e refugiou se na sua terra natal, Peso da Régua. Dali a algum tempo fixou se em Mangualde, do distrito de Viseu, onde lhe era permitido viver. Cumpridos os 2 anos, regressou à Guarda. Em Outubro de 1914, encontrando se de visita a sua mãe, em Poiares da Régua, foi preso pelos administradores dos concelhos de Vila Real e da Régua. Dali partiu, sob prisão, para Lisboa. Ao chegar a Campanhã, porém, esperava os o Chefe da Polícia que dava outras ordens: Levá lo para a Guarda. Na esquadra dessa cidade esteve preso e incomunicável, durante dias. Repetiu se a prisão, em Lisboa, para onde foi remetido, sempre acompanhado de policiamento. No meio desse flagelo, foi transferido para Braga em 1.10.1914. Aí entrou em 14.3.1915. Aí tentou cumprir as suas orientações. Mas também aí foi incomodado e recebeu ordens de expulsão, desta vez, de Portugal. Só a mudança de Governo impediu o exílio forçado. Foi ele que propôs e conseguiu autorização papal para a criação da Diocese de Vila Real (20.4.1922).


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt