O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

L


LEITÃO, Francisco Xavier de Andrade e Almeida Pacheco e Sousa

nasceu no Solar de Santa Marinha, de Ribeira de Pena, em 4.10.1800. Em 27.9.1805 sucedeu na importante casa de seu pai e, em
LEITÃO 25.5.1808, na vasta casa de sua mãe. Foi o 6.° administrador da capela e vínculos de Nossa Senhora de Copacabana, senhor do solar de Santa Marinha e das várias quintas da família: Sobrado Velho, Heitor Correia, Outeiro, Água Levada; Brunhedo d'Aquém, Seixas, Aldeadouro, Ribeira de Baixo, Pereiro de Baixo etc. todas no concelho de Ribeira de Pena e ainda a quinta da Costa, no antigo concelho de Cervos e Telhado, do actual concelho de Montalegre. Ficou órfão bastante jovem. Mesmo assim, um seu tio, o Red.° Dr. José Caetano de Andrade e Almeida, erudito humanista e jurisconsulto, orientou o nas lides literárias, incutindo lhe uma forte e sólida formação moral e cultural. Queria ele formar se em Direito na Universidade de Coimbra. Mas por necessidade de administrar todos os seus bens, requereu e obteve, por portaria de 17.5.1819 o posto de capitão de uma das companhias do regimento de milícias de Chaves, sendo promovido a Tenente Coronel, por distinção por portaria de 22.6.1820. E foi coronel por decreto de 12.4.1822. Foi um entusiasta das ideias vintistas. Acolheu com agrado a outorga da Carta Constitucional. Protegeu muitos amigos e políticos perseguidos pelo despotismo do feroz conde Basto e seus pares. Foi condecorado com a medalha da Fidelidade Transmontana. A ele se ficou a dever uma evidente acalmia política ao tempo em que ele vivia, em toda a região Transmontana. Gozava de grande influência e isso foi benéfico para a Província. Foi juíz ordinário, presidente da Câmara e administrador do Concelho, nunca recebendo qualquer provento pelos cargos exercidos. Por tudo isso foi criado o Barão de Ribeira de Pena, de que foi o 1.° titular. Faleceu em 11.8.1867 no seu solar. Casara em 10.5.1830 com sua prima Maria Angélica Pacheco Valladares Sousa Martins e Aguiar. Foi ela a 1.ª baroneza de Ribeira de Pena.


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt