O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

D


DINIS, Antero Alves Monteiro

Nasceu em Vila Real. Estudou no Porto e concluiu o curso de Direito em Lisboa. Sempre quis ser juiz. Começou a usar toga em 1961, como Delegado do Ministério Público. Foi Juíz em 1967, em Melgaço. Depois passou pelas comarcas da Póvoa de Varzim, Melgaço e Almada. Daqui foi transferido para o tribunal da Relação de Lisboa. Nesta altura passaram lhe pelas mãos dois casos famosos: o do assalto ao BNU da Figueira da Foz e o da Herança Sommer. Tinha nessa altura 31 anos de idade. A seguir ao 25 de Abril chegou a exercer funções governativas, próximas do PS. Tornou se, em 1974, auditor do Ministério da Justiça e aí permaneceu até ao 4.° governo provisório. Trabalhou de perto com Salgado Zenha, Pinheiro de Farinha. No 1.° Governo Constitucional passou para a Presidência do Conselho de Ministros, por convite de Pinheiro de Azevedo e de Mário Soares. Era rido como um jurista de muita competência e inexcedível zelo. Trabalhou como Subsecretário de Estado Adjunto, trabalhando com Almeida Santos, Lopes Cardoso, Eduardo Pereira, Veiga de Oliveira e Melo Antunes. Coube lhe a tarefa de montar o serviço de apoio à Presidência do Conselho de Ministros que funciona na Rua Gomes Teixeira. Esteve quase a ser Ministro na década de 70, a convite de Mário Soares. Negou se. Se em 1976 tinha sido Subsecretário de Estado do 1.° Ministro, no VI Governo Provisório e no I Governo Constitucional, em 1977, acabou por assumir funções de Secretário de Estado do 1.° Ministro para os Assuntos Parlamentares, logo a seguir. Em 1978 foi nomeado Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros. Seguiu se um período de cinco anos no Tribunal de Contas e. desde 1983 passou a integrar o Tribunal Constitucional. Em Setembro de 1997 foi nomeado Ministro da República para a Madeira, o que não agradou ao Presidente do Governo João Jardim, por ser aquele um socialista declarado e ser a Madeira um império do PSD. Sempre cultivou um grande gosto pela obra de Camilo Castelo Branco.


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt