O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

C


CARNEIRO, Francisco Gonçalves

Nasceu em Chaves, em 20 de Junho de 1915. Fez os estudos secundários no Colégio de Lamego, Liceu de Chaves e Vila Real. Prosseguiu estudos na Universidade de Coimbra, licenciando-se em Direito, em Coimbra e Lisboa. Concluiu em 20.7.1939. Depois de obtido 0 curso fixou se em Chaves, sua terra natal, exercendo a advocacia até 18.2.1975, ano do seu falecimento. Sempre se interessou por assuntos relacionados com a História e com a Arqueologia, ficando esse empenhamento traduzido no Museu da Região Flaviense, o qual passou a tê lo como seu patrono, por deliberação municipal. Foi presidente da Direcção da Associação Cultural, Amigos de Chaves. E dirigiu a publicação Estudos Flavienses (n.° 1) que saiu em 1963. O Dr. Francisco Carneiro foi sempre um apaixonado pela política e acabou por ser vítima dela. De facto, tinha simpatia pela mudança de regime que ocorreu com ele na primeira linha da contestação. Só que foi prudente, na hora da mudança. E alguns oportunistas de ocasião, só porque não viram o Dr. Francisco Carneiro, envolvido em manifestações de rua, acabaram por injuriá lo, de forma cobarde, o que desgostou profundamente, o grande democrata e intelectual que sempre foi. Logo depois falecia, sem que tenha tido o ensejo de vingar as acusações que lhe fizeram. Para além de advogado distinto, de amigo leal e de cidadão inconfundível, o Dr. Francisco Carneiro, manteve colaboração assídua na imprensa da época, em jornais e revistas. Ainda enquanto estudante em Vila Real, foi director de o Académico. Publicou os seguintes livros: Malícia de amor (1945); O teatro Universitário As carapuças do Mestre Gil (1951); Urbanização de Chaves (1952); Nuno Álvares, Senhor de Chaves (1961); Contra o Jornalismo Teledirigido (1963); Temas Transmontanos (O incremento do Turismo ) (1971); Castro de Curalha 1.ª Companha de Escavações (1974); Chaves Cidade Herórica (a título póstumo 1978); Temas Flavienses (1986 Póstumo) e A Igreja de Santa Maria Maior de Chaves (póstumo). O seu nome foi perpetuado na toponímia urbana. Também o seu nome foi escolhido para patrono da Escola Secundária C+ S de Casas dos Montes (Chaves).


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt