O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
Dolce Vita
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ][ Horóscopo ]
Transmontanos e Durienses +
Noticias do Douro
Pesquisa
Livro

Transmontanos e Durienses +

A


AZEVEDO, António José de

O padre António José de Azevedo (1800-1874/ 1876?) tinha um irmão mais novo, Francisco José de Azevedo, estudante de Medicina, que casou em 1839 (5 de Outubro) com Carolina Rita Botelho Castelo Branco, irmã de C. C. B. Viviam na freguesia de Vilarinho da Samardã, que António José de Azevedo paroquiava. Aliás, foi ele o oficiante do matrimónio, como foi ele quem pessoalmente, munido da respectiva procuração, deslocou-se a Lisboa para obter, junto do conselho de família, a legítima da noiva. (V Ludovico de Menezes, Camilo, Lisboa, 1925, 111, p. 107 e seg.). C.C.B. passou a viver na companhia do jovem casal e, por consequência, em estreito convívio com o pároco da freguesia, que foi seu mestre. Camilo lembrará esse período da sua vida nos folhetins que publicou em A Aurora do Lima (n.os 189 e 190, de 23 e 27.3.1857), com o título de Impressão Indelével, incluídos a seguir na miscelânea Duas Horas de Leitura (1857). Afirma Camilo: "Fui educado numa aldeia, onde tenho uma irmã casada com um médico, irmão de um padre, que foi meu mestre. O mestre podia ensinar me muita coisa que me falta; mas eu era refractário à luz da gorda ciência do meu padre. " (Op. cit., p. 89, da 8.a ed., 1967). Camilo acabará por alojar se no Porto a fim de encetar estudos superiores. Os biógrafos divergem quanto à qualidade e natureza dos ensinamentos ministrados pelo padre António de Azevedo, seguindo à letra os relatos (efabulados sempre pelo escritor) desse período. É de presumir que, em liberdade no Porto, Camilo interrompesse praticamente as relações com Samardã. Voltará a ver Carolina em 1860 e passará a corresponder se com o antigo mestre em data posterior (talvez até antes do escândalo do adultério). C.C.B. recorda o nas Memórias do Cárcere (1862), apelidando o de "missionário fervoroso, que me podia ensinar tanto latim, tanta virtude, e só me ensinou princípios de cantochão, os quais me serviram de muito para as acertadas apreciações que eu fiz depois das primas donas". (Op. cit. Il, p. 130, da 8 ' ed., 1966). Lembra o de novo em Lira Meridional (1886), onde narra (ou efabula) os amores do futuro padre com Luísa das Barrias, e arquiva a anedota picaresca, ocorrida no cenário de Braga, do seminarista a fugir de uma francesa pecadora. "Vivi dois anos com este prior. As nossas camas estavam no mesmo quarto. Ensinava me latim e música de Canto. " (In Serões de S. Miguel de Ceide, p.129, da ed. de 1928, da Lello). Dedicara lhe um romance: O Bem e o Mal (1863), tratando o de operário infatigável em serviço de Deus e da Humanidade": "Há vinte e três anos que eu vivi em sua companhia. " (1863 23 1840). Acrescenta, ao cabo de enumerar as suas proezas de "incorrigível rapaz de catorze anos: "Sou aquele que leu em sua casa as Viagens de Ciro, o Teatro dos Deuses, os Lusíadas, as Peregrinações de Fernão Mendes Pinto, e outros livros que foram os primeiros". Após a morte do irmão, em 1867, o padre António de Azevedo passou a ser o anjo tutelar da família desamparada (se já não o era), que ficara em precaríssimas circunstâncias, como se avalia do epistolário conservado na Casa Museu de Camilo, constituído por 22 cartas do padre Azevedo ao discípulo. É um acervo importante para a compreensão do género de relações de Camilo com seu mestre e, indirectamente, com a irmã. O número das missivas devia ser mais avultado, visto que, em 1862, nas Memórias do Cárcere, Camilo declara: "As raras cartas, que me envia, são todas a desandar me deste caminho errado para o do sacerdócio. " Etc. (Op. cit, II, p.130) Na Lira Meridional dá mesmo a entender que a correspondência do padre remontava ao ano de 1855. Como quer que seja, o remanescente do epistolário (abarcando os anos de 1865 a 1874) dá bem a ideia da estima do mestre pelo discípulo transviado e da sua preocupação pelos estudos e bem estar dos sobrinhos, rogando amiúde ao romancista que interfira a favor deles. Queixa-se por vezes da indocilidade da cunhada. A epístola de 25.4.1874 tem a seguinte anotação do punho de Camilo: "Última carta que recebi deste santo, que morreu em 1874 ". Todavia, averbara na missiva de 23.6.1873: "Morreu em 76". Curiosamente, o talhe de letra é muito semelhante: do mestre e do discípulo.
VERBO


In i volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30€

(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt